PORTAL POÉTICO CCF NO SEU IDIOMA

ITAPERUNA, MINHA TERRA

ITAPERUNA, MINHA TERRA
De Itaperuna para Praia Grande

quarta-feira, junho 11, 2008

DEVANEIOS DE PLENÁRIO

Inspirado na sessão de hoje da Câmara Municipal da Estancia Balneária de Praia Grande-SP
Aqueles que aqui pregam uma atitude inspirada nas práticas a favor da justiça a serviço de Deus, ensinadas por Santa Teresa, correm o risco de acabarem tal como São Jorge, degolados! E as suas ações tal como no sonho de Icáro, afogadas no mar...o nosso mar, ainda limpo!

segunda-feira, junho 09, 2008

DIPLOMA DE PENSADOR


Agradeço ao Albertino Fernandes Neto construtor do PARA LER E PENSAR, e a todos que me incentivam com a sua leitura e opinião, pelo belo diploma recebido. Ele, agrega um valor enorme ao meu trabalho e aumenta a minha responsabilidade literária, perante todos.
Muito Obrigado Albertino!
Muito obrigado meus amigos!

Celso Corrêa de Freitas
C C F

E-MAIL RECEBIDO EM 10/06/08-www.paralerepensar.com.br
Sobre o Certificado de grande PENSADOR do site PARALEREPENSAR Caixa de entrada
Prezado amigo Celso,
Somos nós os agraciados por tê-lo conosco. Você merece muito e muito mais. Seu trabalho é excelente e todos fazemos votos que tudo em sua vida seja de eterno crescimento.
Grande abraço,
Albertino Fernandes (Construtor)
www.paralerepensar.com.br/construtor.htm
Para você que pensa e atua!

sábado, junho 07, 2008

SE VOLTAIRE VOLTASSE E AQUI VOTASSE


Um dos pensadores que mais me fascina, e que inclusive inspirou-me - como presidente da Casa do Poeta Brasileiro de Praia Grande-SP a criar como nosso principal evento cultural o Sarau dos Pensadores - em que todo mês homenageamos um grande pensador, é François-Marie Arouet ou como é conhecido, Voltaire.

O mais famoso filósofo da França e principal nome de um movimento que sacudiu a Europa e suas colônias no século XVIII, o Iluminismo.

Voitaire, numa época de reis devassos, religiosos absolutistas, intelectuais comprometidos e povo submisso, fez da literatura o chicote que açoitou a Realeza, a Igreja e demais segmentos da burguesia francesa. O que lhe rendeu inúmeros e dolorosos percalços.

O engajamento nas questões políticas o levou a transformar-se num educador social, missão que assumiu por toda a vida, e que o tornou alvo a ser atingido pela aristocracia e intelectualidade comprometida com a ditadura da época.

E é nesse aspecto, que trago para a sua reflexão, leitor, algumas máximas de Voltaire, que embora pensadas numa França de elevada corrupção, escândalos sexuais, fanatismo religioso, miséria social, no período de nascimento (1694) e morte de Voltaire (1772) e da Revolução Francesa (1789), servem para comparar com o momento no qual vivemos no Brasil de hoje.

Rei aqui não temos, mas o sistema, se bobearmos, se perpetua. Nossos políticos a cada dia se superam e mostram a verdadeira face. A linguagem de muitos formadores de opinião é desprovida do fator revolução e carregada do fator adesão e, na ponta final desse condão, está uma parte da nossa nação submissa ao assistencialismo oficial e religioso, como se não houvesse outra saída além dessa aparente benevolência.

Disse nos Voltaire: “Na França era preciso ser BIGORNA ou MARTELO. Eu fui BIGORNA”.

O Brasil precisa ter os agentes formadores de opinião no seu papel de Bigorna, tipo Carlos Lacerda. Hoje parece que todos estão felizes no papel de martelo. Sempre pregando o prego da servidão no peito do povo brasileiro, de acordo com as conveniências e interesses dos poderosos.

Poucos são os que, inteligentemente, ousam azucrinar o sistema com suas penas, tal como Voltaire o fez. Eu conheço dois que exercem com bravura a função de bigorna, mas é pouco, muito pouco e, por isso, os poderosos fazem a festa.

Ainda Voltaire: “A necessidade obrigatória de falar e o embaraço de nada ter para falar, são duas coisas capazes de tornar ridículo ainda mais o maior homem”.

No Brasil de hoje, a verdade é menos importante que a mentira. Aquele que mente ou se omite, diante da verdade dos fatos escorado em premissas, tipo “Eu não sabia”, “Eu fui traído”, “Ainda não fui julgado”, multiplicam-se, transformando os escândalos nos quais a grande maioria dos nossos governantes estão envolvidos em corriqueiras pizzas, que são digeridas a contra-gosto por uma parte da nossa sociedade, e de boa vontade pela outra parte.

Vejam essa: “O melhor governo é aquele em que há o menor numero de homens inúteis

Como se mede um homem inútil?

Houve um tempo no qual se respondia prontamente: MEDICI de cima a baixo. Hoje, os que afirmavam isso estão no poder e se acham poucos, querem ser mais para deixar tudo dominado.

E essa: “A política tem a sua fonte na perversidade e não na grandeza do espírito humano

Quem um dia precisou de um atendimento médico num hospital público sabe muito bem o peso dessa sentença.

Voltaire tinha cada uma: “Os reis são para seus ministros como os cornudos para as suas esposas, nunca sabem o que se passa”.

Nesse aspecto, os cornudos evoluíram muito desde a queda da bastilha, pois hoje, eles sabem, assumem e curtem os seus chifres. Só os reis; os da França, de Guaranhus e Piaçabuçu é que permanecem como os últimos a saber o que se passa nos domínios deles.

Não podemos desprezar a lógica de Voltaire: “Tenho maior confiança no desempenho de um homem que espera ter uma grande recompensa do que no daquele que já a recebeu

E continuaram recebendo, pois esses encastelados no poder, dele não querem abrir mão e se acham perpétuos. Renovação não é uma prática constante e o continuísmo torna-se uma praga.

E é mesmo: “Um déspota tem sempre alguns bons momentos. Uma assembléia de déspotas nunca os tem”.

O que fazer?

Pra que discutir com homens que não se rendem às verdades mais evidentes? Esses não são homens, são pedras!”.

E eu pergunto: Pedras pensam?

Vou terminar este reflexivo texto com três sentenças do magnífico filósofo Voltaire:

Os homens erram, mas só os grandes homens confessam que erraram”.“Posso não concordar com uma só palavra do que dizes, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-lo”.“Se Deus não existisse, seria preciso inventá-lo”.

A inexistência de Deus nos daria uma responsabilidade que não saberíamos usar, o que nos levaria mais rapidamente à destruição.

Deus, de tão bom, está ao lado de todos, do vencedor e do vencido.

Se Voltaire voltasse e aqui votasse, antes de cumprida a sua obrigação eleitoral, repetiria sem medo de errar:

Só há uma maneira de lutar contra o poder, é sobreviver-lhe!”.

Portanto, leitor, fique esperto. E no momento em que se encontrar de pé diante da urna, lembre-se de Voltaire:

Esse monstro enorme e que se chama povo, e que tem tantos ouvidos e tantas línguas, mas ao qual faltam olhos”.

Abra os seus e vote, vote para sobreviver!

Biografia

Celso Corrêa de Freitas
56 anos.
Poeta, Escritor e Articulista.
Nascido em Itaperuna-RJ, aos 26 de Agosto de 1954.
Atual Presidente (O sexto) da Casa do Poeta Brasileiro de Praia Grande-SP e da Confraria de Artistas e Poetas pela Paz - CAPPAZ Seccional de Praia Grande-SP.
Coordenador da Cappaz para a Costa de Mata Atlântica(Baixada Santista).
Colaborador ativo nos jornais e demais meios de comunicação (Blogs e Sites). Participante, prefaciante e Organizador de Antologias e livros solos.
Contato: Celso.correadefreitas@gmail.com-casadopoetabrdepraiagrande@gmail.com-ccfcappaz@globomail.com
Sites: www.portalpoeticoccf.blogspot.com-www.casadopoetapg.com.br-www.cappaz.com.br